A influência do marketing social na mudança de atitudes: Um estudo experimental

Daiane Medeiros Roque Ferreira, Afonso Augusto Teixeira de Freitas de Carvalho Lima, Marco Aurélio Marques Ferreira, Andréia de Fátima Hoelzle Martins

Resumo


Este artigo teve como objetivo principal verificar se as comunicações de marketing social são eficientes para provocar mudanças de atitudes em um grupo de indivíduos, a respeito do consumo de alimentos orgânicos. Como objetivo secundário, pretendeu-se verificar se o nível de informação disponibilizada aos indivíduos é um diferencial para influenciar atitudes. Para tanto, utilizou-se como procedimento metodológico o experimento, e como técnicas de análises comparativas os testes não-paramétricos para amostras independentes “Jonckheere-Terpstra” e “Mann-Whitney”. O experimento foi conduzido com três diferentes grupos, um de controle, que não recebeu influência e dois grupos experimentais, que foram expostos a diferentes níveis de comunicações de marketing. O grupo de controle, que não recebeu nenhuma comunicação, apresentou atitudes menos favoráveis que os grupos experimentais para o consumo de alimentos orgânicos, o que permitiu inferir sobre a influência na mudança de atitudes dos indivíduos pelo uso do marketing social. Entretanto, dentre as mais importantes descobertas, verificou-se que o recebimento de maior quantidade de informação não implica, necessariamente, em um efeito positivo, pois o grupo experimental que recebeu menos informação apresentou atitudes mais favoráveis.

Texto completo:

PDF

Referências


Ajzen, I., & Fishbein, M. (1980). Understanding attitudes and predicting social behavior. New Jersey: Prentice-hall.

Alba, G., Kraemer, F., & Slongo. L. A. (2012). Panorama da Pesquisa Experimental em Marketing no Brasil. Anais eletrônicos do Encontro de Marketing da ANPAD, Curitiba, PR, Brasil, 5. Recuperado em 30 junho , 2017, de http://www.anpad.org.br/adm/pdf/2012_EMA179.pdf.

Ander-Egg, E. (1978). Introducción a las técnicas de investigación social: para trabajadores sociales. (7a ed.). Buenos Aires: Humanitas.

Andreasen, A. R. (1995). Marketing social change: changing behaviour to promote health, social development and the environment. San Francisco, California: Jossey-Bass.

Andreasen, A. R. (Spring, 2002). Marketing Social Marketing in the Social Change Marketplace. Journal of Public Policy & Marketing, 21(1), 3-13.

Brasil. (2003). Lei 10.831, 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p.8.

Brasil. (2007). Decreto nº 6.323, de 27 de dezembro de 2007. Regulamenta a Lei no 10.831, de 23 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a agricultura orgânica, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p.2.

Brasil. (2012). Decreto nº 7.794, de 20 de agosto de 2012. Institui a política nacional de agroecologia e produção orgânica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p.4.

Hair Jr., J. F, Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. (6a ed.), Porto Alegre: Bookman.

Hernandez, J. M. C., Basso, K., & Brandão, M. M. (2014). Pesquisa experimental em marketing. Revista Brasileira de Marketing, 13(2), 98-117.

Holmer, P. A. (1995). Ad size as an indicator of perceived advertising costs and effort: The effects on memory and perceptions. Journal of Advertising, 24(4), 1-12.

Hvidman, U., &Andersen, S. C. (2015). Perceptions of Public and Private Performance: Evidence from a Survey Experiment. Public Administration Review, 76(1), 111-120.

Kotler, P., & Lee, N. (2011). Marketing Social: Influenciado comportamentos para o bem. (3a ed.) Porto Alegre: Bookman.

Laerd Statistic. Jonckheere-Terpstra test using SPSS Statistics. Recuperado em 30 junho 2017 de https://statistics.laerd.com/spss-tutorials/jonckheere-terpstra-test-using-spss-statistics.php.

Lazer, W. (1969). Marketing's Changing Social Relationships. Journal of Marketing, 33, 3-9.

Licht, J. F. (2014). Policy Area as a Potential Moderator of Transparency Effects: An Experiment. Public Administration Review, 74(3), 361–371.

McCarthy, E. J. (1978). Basic marketing: a managerial approach. (6th ed.). Homewood, Illinois: Richard D. Irwin.

McDaniel, C. D., & Gates, R. (2005). Fundamentos de pesquisa de marketing. (2a ed.) Rio de Janeiro: LTC.

Makatouni A. (2002). What motivates consumers to buy organic food in the UK? Results from a qualitative study. British Food Journal, 104(3/4/5), 345-352.

Malhotra, N. K. (2010). Pesquisa de marketing: foco na decisão. (3a ed.) São Paulo: Pearson Prendice Hall.

Naik, P. A., Mantrala, M. K., & Sawyer, A. G. (1998). Planning Media Schedules in the Presence of Dynamic Advertising Quality. Marketing Science, 17(3), 214 -235.

Pestana, M. H., & Gageiro, J. N. (2008). Análise de dados para ciências sociais: A complementariedade do SPSS. (8a ed.) Lisboa: Edições Sílabo.

Peter, J.P., & Olson, J. C. (2009). Comportamento do Consumidor e Estratégia de Marketing. (8a ed.) São Paulo: McGrall-Hill.

Sampaio, D. O. (2012). Intenção de compra e consumo de alimentos orgânicos: um estudo sobre as crenças, atributos e grupos de referências. Tese de Doutorado em Administração, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Schiffman, L. G., & Kanuk, L. L. (2000). Comportamento do consumidor. (6a ed.) Rio de Janeiro: LTC.

Shih‐Jui, T., Ching‐Chun, S., Sherrie, W., & Yu‐Hua, C. (2012). Attitudinal inconsistency toward organic food in relation to purchasing intention and behavior: An illustration of Taiwan consumers, British Food Journal, 114(7), 997 – 1015.

Soares, W. L. (2010). Uso dos agrotóxicos e seus impactos à saúde e ao ambiente: uma avaliação integrada entre a economia, a saúde pública, a ecologia e a agricultura. Tese de Doutorado em Saúde Pública e Meio Ambiente), Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Straughan, R. D., & Roberts, J. A. (1999). Environmental segmentation alternatives: a look at green consumer behaviour in the new millennium. Journal of Consumer Marketing, 16(6), 558-575.

Truong, Y. (2011). Antecedents of Consumer Acceptance of Mobile Television Advertising. International Journal of Technology and Human Interaction, 7(3), 70-83.

Weinreich, N. K. (2011). Hands on Social Marketing: A step-by-step Guide to Designing Change for Good. (2a ed.) Thousand Road, California: SAGE publications.

Zuin, L. F. S., & Queiroz, T. R. (2006). Agronegócios: gestão e inovação. São Paulo: Saraiva.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


O Caderno Profissional de Marketing Unimep (CPMark), Qualis B3, ISSN 2317-6466, está presente nos seguintes indexadores: 

 

 

 

 

Flag Counter